Inhotim e seu acervo em constante mudança

Inhotim e seu acervo em constante mudança

COMPARTILHE
/ 13341 0

Você que sempre nos acompanha sabe que adoramos falar sobre cultura aqui no blog. Exposições e roteiros são sempre explorados por aqui e um dos nossos locais favoritos é o Instituto Inhotim, em Brumadinho, Minas Gerais.  Já falamos sobre o local aqui mesmo, contamos a história de como ele foi concebido e se tornou um dos principais destinos para quem curte cultura em todo o Brasil e até por muita gente de outros países.

Por isso, hoje vamos falar das novidades de Inhotim. Muita coisa aconteceu nos últimos anos no local, que conta com um dos mais incríveis acervos de arte contemporânea de todo o mundo. Galerias, instalações e exposições, além de incontáveis espécies de árvores e plantas.

Duas das mais recentes novidades do Inhotim são as obras da paulista Elisa Bracher.  Em Embrionário, de 2013, são apoiadas 13 toneladas de troncos. A outra obra é Equilíbrio Armado (2004), na qual blocos de mármore são usados em uma instalação de seis metros de altura.

Obra Embrionário no Inhotim (Foto: WIlliam Gomes/Divulgação Inhotim)

Uma das mais belas galerias permanentes de Inhotim foi inaugurada em 2015. Trata-se da galeria Claudia Andujar. O espaço tem 1.600 m² e apresenta um acervo fotográfico de mais de 400 imagens feitas entre os anos de 1970 e 2010 com os índios Yanomami. Além das fotos, o local conta com publicações, livros e apresenta um documentário produzido pelo instituto.

Já o acervo botânico do Instituto Inhotim é um dos maiores do Brasil e do mundo.  São mais de 4.200 espécies de plantas nativas ou de fora do ambiente e que são preservadas no local. De acordo com o site do Inhotim, o local conta com uma das mais importantes coleções de palmeiras de todo o mundo, com 1.400 espécies e cerca de 20 mil indivíduos, entre as plantas adultas e as chamadas plântulas.

Trabalho de Claudia Andujar (Foto: Inhotim)

Por tudo isso, se você nunca foi, vá ao Inhotim! Mas se você já conhece o local, vá também. Isso porque a área está em constante mudança, assim como o acervo e as instalações.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.